La Paloma

Sugestão de música para este relato de viagem, clique aqui para ouvir

Quando amanheceu em La Paloma, decidi caminhar até a praia. Levei um bom tempo neste pequeno trajeto pois havia muitas aves no caminho para observar, eu simplesmente não conseguia deixar de aprecia-las, ninho no poste, aves caminhando na calçada… (já contei sobre meu amor pelas aves não é?)

A praia… Um longo suspiro ao lembrar dela enquanto tento descrevê-la nestas linhas, como se fosse possível descrever La Paloma com palavras, com imagens, que não a experiência de estar ali. Uma praia belíssima, com muitas formações rochosas adentrando o mar e uma areia grossa, fofa, gostosa de pisar e forrada de conchas dos mais variados tipos e formas. Eu, adepta do “tire da natureza apenas fotos e leve apenas suas recordações” confesso que não resisti e comecei a pegar algumas conchas como recordação, enquanto sentia culpa e me perguntava como é que eu ía levar essas conchinhas delicadas na bagagem da moto de volta pro Brasil. Sim, eu dei um jeitinho e, no fim das contas, acho que não fui tão criminosa assim em minha coleta.

Passei aquele dia na praia, caminhando, contemplando e pensando na vida.

La Paloma, assim como Cabo Polonio, também tem seu farol, de onde parece que é possível avistar baleias em algumas épocas do ano e, embora eu não tenha vivido tamanha experiência, subir num farol pela primeira vez foi encantador.

P_20170307_173010P_20170307_173908_PNP_20170307_175539_HDR

Em 1872, El Faro del Cabo de Santa Maria, já praticamente pronto, foi destruído por um forte temporal, e 17 pessoas morreram na “tragédia del faro”. Seus corpos foram sepultados próximo ao farol, num local chamado de “El Cementerio del Faro Viejo”. Conta-se que o farol estava sendo construído com água do mar, de difícil fixação dos materiais. Uma história triste sobre as forças da natureza e uma memória importante a ser mantida.

Um vídeo feito lá do alto do farol – clique aqui ;)

Meu dia em La Paloma terminou com um pôr-do-sol estonteante, que contemplei sentada nos rochedos da praia, com meus pés sendo tocados pelo mar. Dá pra imaginar? Até dá né, mas viver isso é indescritível. Se você não conhece este lugar, vá. Todo mundo precisa viver La Paloma. Se nada der certo nesta vida brasileira, eu vou me exilar ali e viver da minha arte, feita do que a natureza uruguaia dá :)

123

 Foi sem dúvida o lugar do Uruguai que mais amei. Se você tiver um dia só naquele país, passe-o ali.

Eu voltei pro Brasil, mas um pouco do meu coração ficou lá, ou será que um pouco do lugar veio junto comigo?

45

Anúncios
La Paloma

Vídeo Retrospectiva

Tenho muita coisa pra atualizar neste blog, tem a viagem que eu fiz pra Foz do Iguaçu de Sahara reformada, tem a decisão de trocar a mini-custom por uma trail (e eu tô vendendo a minha linda Intruder 250 ó) mas revendo este vídeo (que eu gosto de rever sempre) percebi que ele ainda não tinha sido postado aqui!

Retrospectiva do Thiago Santos das aventuras de moto 2012/2013:

 

Paranapiacaba
Mogi-Bertioga – Com neblina
Paranapiacaba 2
Mogi-Bertioga 2 – Com chuva
Mogi-Bertioga 3 – Ilhabela
Fernão Dias – Monte Verde
USP – Alagamento
Viagem Sul – Florianópolis
Viagem Sul – Morro da Igreja, Serra do Corvo Branco e Serra do Rio do Rastro
Mogi-Bertioga – Intruder 250
Campos do Jordão – Pedra do Baú
Test Ride – Ducati Monster 796
VIagem Sul – Saida, Morro da Igreja, Cânions Cambará do Sul – RS

 

E a felicidade de ter participado de muitas delas!

Vídeo Retrospectiva

Mototerapia

Domingo, acordar cedo, pegar a moto e seguir pra estrada. Destino: Joanópolis-SP.
Curvas, curvas e curvas. Uma mais deliciosa que a outra. Pensar em nada, focar na arte de contornar cada uma delas de forma segura e prazerosa. Isso é mototerapia!

A Cachoeira dos Pretos é tão magnífica que parece um prêmio pra quem chega até ali, mas não, o prêmio é o caminho percorrido mesmo, cada curva, cada momento que mesmo sem registro em imagens, jamais sairá da memória.

Sentimentos meio parecidos com os que esse videozinho me desperta, essa musiquinha que não sai da cabeça, a cada curvinha contornada… Vontade de celebrar a vida! Curtir a jornada e não só o destino… afinal, onde será que esse caminho vai dar? Só indo lá pra saber…

Vídeo encontrado neste blog bacaninha aqui, o Motor do Mundo.

Mototerapia

Salão Duas Rodas 2013 – as motos que “vestem” bem e os test rides

Primeira vez que fui e simplesmente amei!

Nos estandes subi em várias motos, pra sentir aquelas que “vestem” melhor e fiquei surpresa em ver como algumas vestem mal, o que faz eu gostar ainda mais da minha Suzuki Intruder 250 (momento em que você valoriza ainda mais sua moto <3 )

Adorei as motos da Yamaha, Lander, Ténéré.. e achei as novas Fazer lindas! Me fez lembrar dos textos que li dizendo que a Yamaha parece por tradição se preocupar mais com o prazer em pilotar do que algumas outras marcas, num comparativo entre a mesma categoria de motos da Honda, espero que ela dê bastante trabalho para a concorrente:P

Não curti nenhuma moto da Suzuki, nem a Intruder 125, bem parecida com a minha até, mas toda de materiais mais frágeis, banco desconfortável, uma pena.. A Gladius, grande lançamento, não é um estilo que me agrada, então…

Na BMW curti subir nas já apreciadas GSs (e todo aquele espetáculo do estande, com uma violinista tocando Eleanor Rigby e tal..) Acho que se eu tiver uma moto dessas ficará difícil viver longe da estrada…

Na Harley Davidson, a delícia da Heritage Softail, o que é aquilo gente? Maravilhosa posição de piloto e garupa. Já nas outras Harleys como a Sportster (e outras que não lembro), achei a “caixa” do filtro de ar no lado direito da moto totalmente incômoda na perna, também não curti a posição de pilotagem, decepção total… (engraçado que mesmo tendo apenas 1,63m achei deliciosa a Heritage que é grandona, mas não fiquei com os braços super esticados nela, por exemplo.) Claro que tudo isso é ponto de vista de simplesmente subir na moto, mas sei lá, acho que quando essa primeira impressão já te ganha, fica difícil se decepcionar muito depois..

Na Dafra, curti a Horizon 250, pelo conforto, beleza e leveza (a moto não estava presa, dava pra sentir o peso!) mas soube que a ficha técnica como uma mini-custom deixa a desejar.

Na Triumph a moto pela qual me apaixonei: Bonneville T100! Uma custom naked grande mas que não me assusta! (algumas me assustam hehe) Achei deliciosa e fiquei louca pra dar uma volta.. Essas motos retrô…

O que dizer das Ducati? As motos que “vestem” incrivelmente bem.. felizmente essas motos mais velozes não são as que me chamam mais a atenção, logo, não vou ficar sonhando com uma moto digamos, não muito acessível… :P

Mas falando em Ducati! Tinha a área externa reservada aos test rides e shows de freestyle. Tivemos que voltar no domingo pois era muita coisa para ver num dia só!

Testei a trail da Honda, a CRF 250, bem gostosinha! Depois foi a vez de finalmente andar de Ténéré 250 no test ride da Yamaha. Achei a moto bem pesada e alta (em ambas fiquei na pontinha dos pés, medo de não dar conta de parar, hehe) mas valeu a pena, deu pra sentir um pouquinho da Té! E já que estávamos por lá mesmo, testamos os modelos 150cc da Keeway, que, pra mim, pareceram umas bicicletinhas com motor, levinhas, deve ser legal, ágil, pra quem usa a moto no dia-a-dia, a qualidade já não sei dizer.

Mas voltando ao test ride da Ducati.. O Thiago teve a oportunidade de experimentar a Multistrada 1200 e a Monster 796. Confesso que foi emocionante até pra mim, que só fiquei vendo e ouvindo! Legal que ele filmou, dá pra gente sentir um pouquinho como é dar uma voltinha nessas máquinas italianas incríveis!

Pra quem tá começando nesse mundo das motos, curti demais o evento, foi um fim de semana dos mais divertidos que já tive!

Motos são veículos apaixonantes, e tem essa capacidade de proporcionar viagens incríveis como não imagino em nenhum outro veículo. (amo as viagens de bicicleta, mas as mais curtas, de moto sinto que posso percorrer o mundo…)

O próximo Salão Duas Rodas é só em 2015. Até lá quem sabe meu coração já se decidiu por trail ou custom né? Ou encontrou outra paixão? Touring… Vai saber…

Salão Duas Rodas 2013 – as motos que “vestem” bem e os test rides

Campanha da Prefeitura de SP pela segurança dos ciclistas

Meu domingo começa ainda mais belo ao ver o vídeo da campanha da Prefeitura de São Paulo pelo respeito ao ciclista no trânsito.

Mais de 5 anos pedalando pela cidade e encurtando distâncias através da bike e finalmente me sinto representada pelos governantes da minha cidade.

Já não somos mais invisíveis.

Parabéns a todos os envolvidos!

Com educação construiremos a São Paulo que a gente quer!

Campanha da Prefeitura de SP pela segurança dos ciclistas