>Programa Sustentáculos – com Felipe Aragonez

>Uma dica de programa interessante que estréia hoje, às 20:30h na TV Brasil.

http://www.tvbrasil.org.br/saladeimprensa/noticia_500.asp

TV Brasil estreia Sustentáculos – programa que venceu o primeiro pitching da emissora sobre meio ambiente e sustentabilidade

Pelo olhar de três personagens, a série de 36 episódios fará uma reflexão profunda e divertida sobre o meio ambiente

Caio Braz, Marina Thomé e Felipe Aragonez: apresentadores do ‘Sustentáculos’

O que você tem a ver com sustentabilidade? Se a resposta for “nada”, você vai mudar de ideia quando assistir a Sustentáculos, novo programa da TV Brasil que estreia no dia 26 de abril. Desmistificar o tema e provar que muitas ações rotineiras podem ser sustentáveis são os desafios do programa. Toda semana, um novo episódio vai mostrar que existe uma rede de ações no país cuidando da questão ambiental, passando por histórias de participantes de ONGs a pessoas comuns que pegam carona, consomem produtos orgânicos ou andam de patins.

Com linguagem leve e visual dinâmico, o programa é apresentado por três jovens, que não são nem um pouco experts no assunto. E, por isso mesmo, conseguem desvendar os caminhos da sustentabilidade para leigos e não leigos. Daí a ideia do programa de ser uma espécie de mochileiro ecológico: Marina Thomé, Caio Braz e Felipe Aragonez colocam os pés – e a cabeça – na estrada atrás de ideias, iniciativas e ações sustentáveis espalhadas pelo país.

Muitas das histórias que serão contadas foram “cavadas” pela equipe do programa e outras chegaram pela web, por meio do blog sustentaculos.com.br, no ar desde janeiro deste ano. Três meses antes, em outubro de 2009, o projeto Sustentáculos, da TIJD Produções Artísticas, ganhou o primeiro concurso no modelo de pitching,realizado pela TV Brasil, com o tema Meio Ambiente e Sustentabilidade.

No blog do programa é possível acompanhar os bastidores das gravações, saber mais sobre os apresentadores e sobre a equipe, opinar e sugerir temas. De lá do blog é que saíram os perfis dos apresentadores que você confere logo abaixo. Sustentáculos será exibido toda segunda-feira, às 20h30, a partir do dia 26 de abril. Com reprise aos sábados, às 18h30.

Apresentadores:

FELIPE ARAGONEZ
 (que já me salvou de um ônibus ensandecido na Teodoro Sampaio durante uma bicicletada…)

Felipe é o biker de Sustentáculos. Atlético e esportivo, ele está sempre pronto para encarar uma aventura. Acha que não existe lugar impossível de se chegar de bike. É o mais crítico da turma. Tem valores fortes. Um de seus maiores sonhos é conhecer a Amazônia. Sua comida predileta é arroz com feijão com bastante “sustância”.

O que não pode faltar na mochila do Felipe:

Na hora de ir:

a.Alforge
b.Câmara reserva (2)
c.Remendo
d.Bomba de ar
e.Ferramentas
f.Garrafas de água
g.Barra de cereal
h.Algumas mudas de roupa de ciclismo
i.Bandana e capacete e luva
j.Máquina fotográfica
k.Guias e mapas dependendo do lugar
l.Sunga
m.Mochila de hidratação

Na hora de voltar:

a.Memórias, histórias na sua memória e algumas anotações.

Conheça todos os apresentadores e saiba como sintonizar na tv para assitir.
Anúncios
>Programa Sustentáculos – com Felipe Aragonez

>Como sobreviver a uma travessia a pé dentro de um estacionamento!

>Hoje por volta das 20:15h eu estava saindo a pé do shopping Eldorado quando um motorista (assassino) simplesmente não quis esperar eu terminar minha travessia, acelerou seu carro (arma) e o jogou para o meu lado, no intuito de retirar o obstáculo à sua frente (eu, um ser humano) correndo o risco de derruba-lo (mata-lo, no caso, matar-me). E tudo isso dentro de um estacionamento de shopping!

Eu fiquei totalmente desnorteada, tentei correr atrás do carro em vão, olhei em volta, não havia um segurança, uma pessoa, nada…

Como é que alguém pode atentar contra a vida de outra pessoa assim?

Fiquei pensando… e se eu caísse? E se me machucasse? E se morresse? O motorista teria coragem de conviver com essa vergonha? Bom, acabei chegando à conclusão que se algo acontecesse ele simplesmente teria ido embora e me largado lá.

Saí de lá chorando, que foi o que me restou fazer pra aliviar toda essa tristeza de sentir na pele o desprezo que alguns insistem em ter pela vida dos outros. A covardia, por se sentirem protegidos por mais de uma tonelada de lata. Dentro da bolha, se sentem inatingíveis, talvez se no lugar de seu airbag houvesse uma lança apontada para o peito tivessem mais cuidado ao volante.

É revoltante, é triste e dói.

Já em casa, remoendo tudo que aconteceu, esperava o elevador quando um vizinho me perguntou: “E aí, como está para pedalar?” – “Está bom, tempo gostoso” – respondi surpresa já que minha mente estava voando… “É, mas está ruim o ar né? Ouvi dizer que está muito seco.”
Juro que eu estava esperando que ele fosse dizer qualquer coisa que relacionasse pedalar com perigo, mas não. E aquilo foi como um alívio para tudo que eu estava pensando e sentindo. Nos despedimos e eu subi para o meu mundinho do quarto andar com um sorriso bobo no rosto.

Sim, existem pessoas que se importam e que tentam ser amáveis!
E assim, elas conseguem salvar o seu dia…

>Como sobreviver a uma travessia a pé dentro de um estacionamento!

>A primeira bicicleta a gente nunca esquece…

>Todo mundo com certeza se lembra de sua primeira bicicleta e de como aprendeu a pedalar, aquela frase famosa “pode ir, estou segurando” vinda de alguém em quem se confia, como um pai, uma mãe, bastam para que você se aventure sobre duas rodas. Eu me lembro da minha Caloi Ceci e de brincar com ela na rua junto com as outras crianças, mas a minha bicicleta inesquecível foi a que comprei há quase exatos 2 anos atrás (sim, dia 14/04/2008), uma Caloi Terra.

Já contei antes aqui que escolhi esta bicicleta porque ela estava dentro do que eu pretendia investir na minha nova ideia de ir pedalando para o trabalho, um investimento que seria recuperado em um mês, com o dinheiro que economizaria do ônibus.

Não só meu investimento teve o retorno rápido e esperado, como minha vida teve uma melhora incrível.
Parei de frequentar academia, afinal, pedalar é excelente pra saúde. Meus deslocamentos casa-trabalho-casa se transformaram numa diversão, num tempo muito bem aproveitado do meu dia, onde reparava ao meu redor, na paisagem, nas pessoas, fazia amizades, às vezes tinha companhia de outra ciclista, ou ía e vinha somente com meus pensamentos, que voavam….

O engraçado é que eu achava que iria pedalar somente este trajeto, o casa-trabalho, sem imaginar passeios, bicicletadas e muito menos viagens. Mas tudo isso foi surgindo e completando o meu dia-a-dia de forma natural. Aquela Caloi Terra foi se infiltrando na minha vida cada vez mais e mais.. e quando percebi, estava totalmente dominada por ela, pela liberdade que ela sempre representou. A de ir e vir de forma agradável.

E as amizades? Como eu tenho conhecido gente… pessoas incríveis! E minha bicicleta ali, sempre testemunha dos papos, das descobertas, das paisagens, das superações… Com ela mudei minha rotina, participei de vários passeios ciclísticos de grupos, de bicicletadas, visitei os belos artesanatos de Embú, desfrutei daquele “sofrimento bom” nas subidas imensas rumo à Santana de Parnaíba, desbravei minha cidade numa noite inteira pedalando na Virada Esportiva, conquistei a praia pedalando pela Mogi-Bertioga e muitas vezes vi sorrisos se abrirem quando eu passava, só porque eu estava de bicicleta…

Até que chegou a minha despedida dessa bicicleta que deixará histórias e saudades, mas uma despedida feliz. Ela agora acompanhará outras pedaladas e tenho certeza que nos econtraremos pela cidade e que sua nova companheira poderá ser tão feliz como fui com ela nesta sua nova opção de vida.

Aqui, o único momento em que me lembro que odiei minha bicicleta, numa trilha para a Prainha Branca em Bertioga, depois de carregá-la barranco acima e abaixo eu desejei que ela simplesmente se desintegrasse e eu me livrasse daquele peso.
Mas logo passou, afinal, foi com ela que cheguei até ali, e a sensação de ter chegado apenas pelo girar dos pedais é inesquecível!
>A primeira bicicleta a gente nunca esquece…

>Pedalando em dias frios

>Depois de tanto calor, finalmente esta semana veio aquele friozinho bom.. aquele em que você levanta de manhã cheio de preguiça, dá uma olhada pela janela pra conferir se o chão está molhado e pra ver com que roupa vai sair.

É gostoso colocar uma roupa bem quentinha, pra garantir que no fim do dia, quando venta e esfria mais, você vai estar preparado, mas também é essencial pensar que se você vai de bicicleta, é provável que no meio do caminho você tenha que tirar algumas peças pra não esquentar demais.. A dica é se vestir em camadas, várias peças mais finas que possam ser tiradas facilmente, um cachecol para proteger daquele vento gelado numa descidona é uma excelente escolha. E se você pega muito vento, mesmo que não esteja tão frio, uma luva que proteja os dedos de congelar também pode ser bem útil.

Quem começa o dia pedalando, geralmente enfrenta um probleminha no trabalho: você chega com o maior pique, mesmo quando o tempo lá fora sugere cobertor e chocolate quente, enquanto seus colegas que chegam de carro geralmente estão encolhidinhos, calados, tentando encontrar ânimo ainda.. Você quer conversar um pouco, puxar um assunto, mas só recebe de volta uns “humm, ãhã” – ok.. não se desespere, tenha paciência, dali algumas horinhas o pessoal vai despertando, tomando um café, e aí a comunicação volta a fluir. Cada um no seu tempo…

>Pedalando em dias frios