>Bonde (solidário) para a BICICLETADA OSASCO

>Sábado vai rolar um bonde saindo da Praça do Ciclista com destino à bicicletada de Osasco.

Apareça na praça do ciclista por volta das 14h e venha pedalar com a gente.

Clique aqui e conheça o possível trajeto do bonde!

Anúncios
>Bonde (solidário) para a BICICLETADA OSASCO

>CICLOCIDADE – Associação dos ciclistas urbanos de São Paulo

>

CONVITE

Participe do Ato de Fundação da Ciclocidade
No próximo dia 25 de Novembro, você está convidado a fazer parte da fundação da Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo.
A Ciclocidade pretende ser a voz de quem utiliza ou gostaria de utilizar a bicicleta no cotidiano, atuando na defesa do interesse dos ciclistas e na promoção do uso deste veículo na região metropolitana.
Acreditamos que a bicicleta desempenha um papel ativo nas cidades e sociedades do século XXI, ajudando a construir comunidades vivas e solidárias no território urbano, economizando recursos naturais cada vez mais escassos e promovendo a saúde e o bem-estar da população.
A Ciclocidade é resultado da articulação de dezenas de ciclistas que já participam ativamente em diversos fóruns, grupos, discussões e ações em favor da bicicleta.
Sabemos que o desafio em São Paulo não é simples, por isso a sua presença é fundamental. Queremos uma associação forte, democrática e plural, que defenda o interesse do ciclista e colabore na construção de uma cidade mais justa, humana e sustentável.
Ato de Fundação da Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo

25 de Novembro de 2009 (quarta-feira)

no Espaço Contraponto (rua Medeiros de Albuquerque, 55)

Horário: 19h


Informações: contato@ciclocidade.org

>CICLOCIDADE – Associação dos ciclistas urbanos de São Paulo

>Pertencimento

>

Reproduzindo abaixo o texto do blog Transporte Ativo com o qual me deparei estes dias:

“O uso da bicicleta no meio urbano tem um papel fundamental em reconstruir individualmente o olhar. Quem pedala não é simplesmente mais saudável e pontual, mas principalmente passa a olhar para o ambiente onde vive de uma maneira distinta. As ruas deixam de ser apenas local de passagem rumo a um destino, passsam a ser parte indissociável do diário ir e vir.

A cada dia, em cada rua que um ciclista cruza, por breves instantes, o asfalto pertence a quem pedala e vice-versa. A bicicleta é o único veículo capaz de tornar seu usuário proprietário e propriedade do espaço onde circula. Essa ligação efêmera se desfaz e se renova a cada giro dos pneus e segue. Sem deixar marcas, mas capaz de mudar para sempre o olhar de quem se locomove nas duas rodas a pedal.”

Me identifiquei muito com o texto do João Lacerda.
É exatamente isto que eu sinto desde que comecei a pedalar e é o que mais me encanta nos deslocamentos de bicicleta.
Como a gente vai se tornando mais cidadão, percebendo coisas incríveis que antes passavam totalmente despercebidas..
É como ver os “quero-quero” aqui no gramado pela manhã, as crianças voltando da escola no fim do dia com cara de sapecas e totalmente descabeladas, ver que falta uma sinalização para pedestres na porta da tua casa… Não se consegue sair ileso ao que se passa a sua volta..
>Pertencimento

>Piquenique no Ibirapuera

>Sábado no encontro das Pedalinas decidimos por seguir até o Parque do Ibirapuera para um piquenique.
E o dia estava perfeito para isso. Muito sol, ventinho pra refrescar durante o pedal e a mulherada toda animada.

Abrigadas do sol no ponto de táxi

Éramos 10 ao sair da Praça do Ciclista mas nos tornamos 11 ao “abduzir” mais uma garota que passava pedalando, já voltando do parque mas que se convenceu a seguir com a gente pro piquenique!

Demos uma passada no supermercado para comprar os quitutes e lotamos o bicicletário do local!

Optamos por seguir pela “ciclofaixa de domingo” e ouvimos alguns: “É só de domingo” dos motoristas e até de um motociclista. Eles não devem conhecer o artigo do CTB que regulamenta onde as bicicletas devem circular, vale cita-lo:

Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.”

Dito isto, estávamos usufruindo do nosso direito e pedalando no bordo da pista mais conveniente naquele momento, sendo que a quantidade de ciclistas justificava nosso posicionamento na via de forma a garantir a segurança de todos, o que numa avenida de 3 faixas, é relativamente simples, bastando haver respeito dos motorizados. Enfim né, resumidamente, é só deixar de se achar o “rei da rua”!

No Ibirapuera, estendemos a super toalha quadriculada da Laura, com direito a “cestinha estilo chapéuzinho vermelho”, como disse a Aline, e desfrutamos de um piquenique cheio de bate-papo dos mais diversos assuntos. Levei um bolo de milho que as garotas garantiram que gostaram! Fiquei lisonjeada já que culinária não é minha especialidade, embora eu me esforce bastante, rs..

De lá, retornamos para a Avenida Paulista, tiramos foto na Ghost Bike – Márcia Vive e também é Pedalina! –  e paramos em frente ao “sapateado”, onde nos despedimos. Algumas garotas íam esticar a noite num barzinho e eu pretendia seguir com mais duas pedalinas para a estação.
Pretendia. Mas tive um contratempo: meu pneu furou! Como eu costumo dizer: “ÓtEmo”! Seria simples se eu não tivesse enrolado tanto pra ir à Decathlon comprar câmara e kit remendo.. já que na Oficina: Pedalinas com a mão na graxa, aprendemos a resolver este tipo de situação.

Massss, sem material não dava pra fazer milagre, rs.. tive que seguir com a bike de metrô mesmo.

Diversas baldeações depois e com uma garoa em Osasco, cheguei em casa, cansada, mas muito feliz!

O sapateado

No domingo comprei o que faltava (exceto a câmara pois não achei aro 20..) e fui colocar em cheque meus conhecimentos sobre como trocar o pneu! Deu tudo certo, sem crise. O furo foi causado por um caco de vidro minúsculo!!! Acredito que fita anti furo teria evitado o transtorno. Mas foi bom testar o conhecimento e aprender que é importante carregar as ferramentas também, rs.. fica o alerta meninas! Carreguem um kit pra não ficar na mão!

E como sempre, ficou o gostinho de “quero mais”.

Os encontros acontecem sempre no primeiro sábado de cada mês, o próximo é 05/12. Até lá!

Fotos preto e branco por Aline Cavalcante e coloridas por Camila
>Piquenique no Ibirapuera

>Bicicletada Osasco – Encerrando o mês de Outubro!

>Mais uma linda tarde de sábado!

Segunda vez que chego na praça para a concentração da bicicletada e ela já está cheia de ciclistas batendo papo!

Rostos conhecidos e ciclistas importados de São Paulo e Carapicuíba. Nada mais natural, já que todos nós acabamos circulando pelas cidades vizinhas, não temos fronteiras! Aliás, muita gente me perguntou na bicicletada SP sobre como chegar e mostrou interesse em vir – teve até anúncio no megafone durante o pedal de sexta – chique… rs..

E exatamente por isso, a Bicicletada Osasco seguiu para o km 21, já em Carapicuíba, passando pela Av. dos Autonomistas, totalmente abarrotada de lojas de carros, inclusive muitas delas utilizam as calçadas e a própria via para estacionar os veículos. Nada mais justo que tomarmos uma faixa da avenida e atrairmos olhares curiosos…

Paramos no Parque dos Paturis, um lugar bem agradável, onde continuamos o papo, fizemos planos de cicloviagens e trilhas..

Na volta, seguimos pela Rua da Estação e nós despedimos na estação Osasco. Alguns ciclistas optaram pela volta de trem até São Paulo.

A cada encontro as amizades vão se fortalecendo e idéias vão surgindo. Uma delas é agitarmos um bonde saindo da Praça do Ciclista (SP) rumo a Bicicletada de Osasco. Idéia super bacana e que com certeza trará uma integração maior para todos. Aguardem no mês que vem!

>Bicicletada Osasco – Encerrando o mês de Outubro!